segunda-feira, 16 de outubro de 2017

O que é o trabalho intermitente, criado na reforma trabalhista?

Na relação de emprego clássica, o trabalhador fica à disposição do empregador durante tempo pré-determinado. O contrário acontece no trabalho intermitente.

De modo geral, em um contrato de trabalho em que há uma relação de emprego, o trabalhador fica à disposição do empregador durante certo período pré-determinado. Nesse período, independentemente de o empregado prestar de fato ou não um serviço, será devida a ela a remuneração correspondente.

A reforma trabalhista, porém, criou uma nova modalidade de contrato de trabalho, denominada trabalho intermitente. Por meio desse contrato, o trabalhador fica à disposição do empregador aguardando um chamado para o serviço. Caso a convocação não ocorra, ele não receberá nada pelo período à disposição. Se, porém, o chamado se concretizar, ele poderá escolher se pretende prestar o serviço ou não. Assim, ao contrário da relação de emprego clássica, em que a recusa do empregado em prestar o serviço significa insubordinação e pode até mesmo dar origem à dispensa por justa causa, no trabalho intermitente, o trabalhador tem a liberdade de aceitar ou recusar o chamado para o serviço.

Nos termos da nova lei, essa convocação deve ocorrer com pelo menos três dias de antecedência e o empregado tem um dia útil para respondê-la. Caso não diga nada, presume-se que houve recusa. Se, porém, a oferta para o comparecimento for aceita, a parte que descumprir o acordo, sem justo motivo, pagará à outra multa de 50% da remuneração que seria devida no período. Também, no momento da convocação o empregador deve especificar qual será a jornada de trabalho exigida.

Dessa forma, uma empresa poderá manter um contrato de trabalho com seus empregados, mas somente chamá-los para o serviço nos dias e horários que forem mais convenientes para ela. Nessas hipóteses, os trabalhadores convocados recebem a remuneração referente apenas ao período trabalhado. Podemos pensar, por exemplo, em um hotel para lazer, em que a demanda por serviços aumente em feriados. Nesse caso, a empresa poderá manter contratos de trabalhos intermitentes apenas para satisfazer a maior demanda desses dias.

Além disso, ao término de cada período de prestação de serviço, o empregado receberá o pagamento imediato da remuneração, das férias proporcionais com acréscimo de um terço, do décimo terceiro salário proporcional; do repouso semanal remunerado e dos adicionais legais. Também é garantido ao trabalhador intermitente os depósitos do FGTS e o recolhimento das contribuições previdenciárias.

Por fim, o empregado pode manter diversos contratos de trabalho intermitente ao mesmo tempo com diferentes empregadores. Dessa forma, caso haja mais de um chamado para o mesmo período, ele poderá escolher qual irá atender ou até mesmo não aceitar nenhum.




(Fonte: Exame)

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Como perder o medo de falar em público em 6 dicas

Falar em público é um fantasma na vida de muitas pessoas, principalmente se isso não faz parte da profissão que você escolheu e, por algum motivo, você precisa fazer uma apresentação, como mostrar os resultados da sua empresa em uma reunião, comunicar alguma coisa na frente da turma da faculdade (ou apresentar um trabalho), ou defender seu trabalho de conclusão de curso, o famoso TCC, na frente da banca examinadora, por exemplo. Seja o motivo que for, existem algumas dicas que podem te ajudar a perder o medo de falar em público.

1. Esqueça as situações anteriores

Muitas vezes, o medo de falar em público começa depois de uma experiência traumática anterior, que pode ter acontecido com você ou com alguém que você conhece, e o medo disso acontecer de novo pode lhe assustar e até mesmo paralisar. Tente pensar que você já não é mais aquela pessoa, que o público não é o mesmo e que, desta vez, as coisas vão ser diferentes.

2. Não se preocupe tanto com a sua aparência

Sabemos que a aparência é importante, principalmente se você precisa passar uma imagem segura ou de credibilidade, maturidade e profissionalismo, como numa palestra, por exemplo, mas depois que escolher a melhor roupa para a situação, não fique pensando que as pessoas ficarão prestando atenção em alguma característica física sua. Concentre-se em passar um conteúdo de qualidade e as pessoas vão se concentrar nele também.

3. Evite pensar coisas ruins

É comum a gente catastrofizar as coisas, principalmente em momentos de ansiedade. E se o microfone falhar? E se eu ficar vermelha? E se eu gaguejar? E se eu esquecer o que eu tenho que falar? E se alguém fizer uma pergunta que eu não souber responder? Realmente todas essas coisas podem acontecer, mas além de ser uma coisa comum de acontecer com qualquer um (com o presidente fazendo um pronunciamento em rede nacional, com um palestrante famoso, com um músico no meio do show, etc.), também existe a possibilidade de nada de ruim acontecer, então se agarre a ela e foque em fazer o melhor que você puder.

4. Tenha bom humor

Você evitou pensar coisas ruins, testou os equipamentos antes da apresentação, estava com o texto ensaiadinho e alguma coisa deu errado. O que fazer? Sorrir, pedir desculpas e dizer que essas coisas acontecem, porque essas coisas realmente acontecem, e não só com você, mas com todo mundo, e eles sabem disso e vão entender. Brinque com a situação e as pessoas vão rir com você ao invés de rirem de você.

5. Vença a ansiedade

Se sentir ansiosa antes de momentos importantes é normal, mas você pode evitar alguns sintomas ao tentar dormir bem na noite anterior, evitar bebidas estimulantes, como refrigerantes, cafés e bebidas alcoólicas, e fazer um exercício simples de respiração: Inspire lentamente pelo nariz, contando até cinco, e expire, também lentamente, pela boca, contando até cinco, repetindo isso algumas vezes.

6. Trabalhe a sua autoconfiança

Quando você confia em você, você vai lá e faz o seu melhor, sem medo da reprovação alheia. Você simplesmente sabe que está fazendo o melhor que pode e que vai sair tudo bem. Parece simples, e pode ser. Olhe para você e foque nas coisas boas que você tem e nas suas qualidades. Confiante você perde a vergonha e sem vergonha não existe medo.

Aplicando essas dicas você com certeza vai perder o medo de falar em público. Boa sorte!


(Fonte: superela.com)

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Outubro Rosa


Outubro Rosa é um campanha de conscientização realizada por diversos entes no mês de outubro e dirigida à sociedade e às mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

O movimento começou a surgir em 1990 na primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, e desde então, promovida anualmente na cidade. Entretanto, somente em 1997 é que entidades das cidades de Yuba e Lodi, também nos Estados Unidos, começaram a promover atividades voltadas ao diagnóstico e prevenção da doença, escolhendo o mês de outubro como epicentro das ações. Hoje o Outubro rosa é realizado em vários lugares.

O Instituto Mix apoia esta campanha.
Se toque!